segunda-feira, 20 de novembro de 2017

AVELOZ (Euphorbia tirucalli)

Arbusto exótico pode ser a chave para a vitória na batalha contra o câncer!

O aveloz agora está sendo usado para tratamento de redução de tumor de câncer.

Estas são apenas algumas das frases usadas para a publicidade do aveloz, um remédio preparado a partir da seiva leitosa de um arbusto brasileiro de nome cientifico Euphorbia tirucalli. Hoje é vendida nos Brasil em forma líquida ou nos Estados Unidos e em glóbulos por médicos naturalistas.

Euphorbiaceas (eufórbio) produzem uma seiva branca semelhante ao látex que é extremamente irritante para a pele e membranas mucosas e podem produzir inflamação na pele, conjuntivite nos olhos, queimação na boca e garganta, diarréia e gastrenterite.

LIVRO DO PROFESSOR LELINGTON

Aveloz (Euphorbia tirucalli)
Sinonímia: Árvore-do-lápis
Família: Euphorbiaceae
Habitat: Originária da África e de lá foi levada para outros países tropicais. No Brasil se adaptou bem no nordeste.
Partes usadas: Látex retirado dos ramos.

É um  arbusto que pode atingir  até 3 metros de altura, possui ramos verticiliados, cilíndricos, extremamente ramificado, com coloração verde. Dá uma excelente cerca viva.

Propriedades químicas: constituído por hidrocarbonetos terpênicos e aldeídos. Óleos essenciais (eugenol), hidrocarbonetos terpênicos, aldeídos, látex, goma tirucalli, ésteres de forbol) e ingenano ésteres de ingenol, 4-desoxi-forbol e 12-O-tetradecanoil forbol-13-acetato; 12-0-(22) (4E)-octadienol-4-deoxiforbol-13-acetado; ácido 3, 3’-di-0-metil-elágico; beta-sitosterol; ácido cítrico; ácido elágico; eufol; euforona; glucose; hentriacontanol; isoeuforal; kaempferol; ácido málico; sapogenina-acetatos; ácido succínico; taraxasterol; taraxerina e tirucalol.

Propriedades terapêuticas: Antiasmática, anticarcinogênica, antiespasmódicas, antibiótica, antibacteriana, antivirótica, fungicida e expectorante.

Indicações: na medicina alternativa é usado o suco (látex) leitoso cáustico, de efeito irritante na pele e aos olhos porém o seu suco dissolvido em água é indicado para tratamento de tumores cancerosos e pré-cancerosos.

Recentemente, pesquisadores americanos, começaram a interessar-se pelo aveloz e descobriram propriedades fantásticas contra o carcinoma maligno, e como complementos de outros procedimentos médicos. Vejamos resumo do artigo do Padre Raymundo E. Weizeumann, SJ, no “Livro da Família”, 1994, páginas 170 e 171. Sobre o efeito do aveloz em pacientes com câncer:

ADEUS CÂNCER?

Antes de mais nada, quero deixar bem claro que nunca desautorizo a medicina. Não me intrometo onde não posso, pois não sou médico. Apenas por acaso descobri esta planta para minha cura de fístula, que, parece, está também dando certo com pessoas que sofrem de câncer.

Observando mais de 200 pessoas que tomaram o aveloz pude tirar algumas conclusões:

1 – Pessoas que sofrem de câncer podem tomar até três gotas de seiva do aveloz contra o câncer, diariamente.

2 – Tomar uma gota de cada vez em três vezes ao dia, em meio copo de leite, após as refeições. Assim se garante uma ação contínua.

3 – Tomar a seiva pura faculta uma cura mais rápida, mas deve-se continuar o tratamento até três meses após o desaparecimento dos sintomas. E mesmo depois voltar ao tratamento de vez em quando, por uns dois anos.

4 – Continuar o controle médico. Só ele pode declarar uma cura definitiva.
Quando começou a propaganda do aveloz?

“Eu, pessoalmente, sofria de uma fístula pleural durante quase cinco anos. Uma cirurgia seria perigosa, segundo alguns médicos. Achavam que eu deveria conviver com este incômodo até o fim da vida. Saía muito pus. Um dia me lembrei de usar o aveloz. Deu certo. Em apenas três semanas a fístula desapareceu. Isto já faz ano e meio. Continuo bem…
Vejamos o efeito do aveloz em duas pessoas:
Dona Maria Helena Nunes, funcionária antiga do Colégio Anchieta de Porto Alegre, sofria de câncer das mamas. O uso do aveloz fez desaparecer totalmente todos os nódulos em apenas duas semanas. Ela estava sob observação médica, que constatou câncer. Após um ano de desaparecimento dos sintomas de câncer, voltaram os nódulos. Voltou a tomar aveloz. E novamente ficou sem os sintomas. Deverá tomar o aveloz durante mais tempo.
A Irmã Regina Kunzler, da Congregação das Filhas do S. Coração de Jesus, estava condenada à morte com câncer generalizado dos intestinos. Os médicos lhe davam no máximo dois meses de vida. Tomou o aveloz. E hoje está trabalhando no Hospital de Santo Ângelo, RS. Está com boa saúde. A cura foi em maio de 1992. Ela se sente bem. Não sente mais nada da doença. Aguardamos algum tempo para poder falar de uma cura definitiva.
Poderia mencionar ainda muitos casos de pessoas doentes de câncer que tomaram o aveloz e não sentem mais nada. Todos os sintomas desaparecem…

Mais de 200 pessoas já me pediram informações sobre o aveloz. Entre os doentes de câncer pude verificar um grande número de tumor pulmonar. Só um não fumava… Entre as mulheres o câncer mais comum: das que pediram informações, a maioria tem câncer das mamas, útero e ovários”.

Toxidade: Por ser altamente cáustico, o látex precisa ser diluído em água. O látex puro pode provocar até uma hemorragia. Devido  a sua toxidade, o professor Lelington, químico fitologista – UFPR, aconselha  que o uso mais seguro do aveloz  é de glóbulos homeopáticos*, pois tem o mesmo efeito das gotas e não agridem o estômago. Usar seis glóbulos sublingual de manhã e a noite. Ou se preferir xarope de avelós.

Fonte: livro: As Sensacionais 50 Plantas Medicinais Campeãs de Poder Curativo – Lelington lobo Franco – Editora Lobo Franco- Curitiba.

TESTES COM AVELÓS

Mais uma planta que já era usada nos tradicionais chás medicinais poderá ser usada para tratamento médico ‘oficial’, na cura do câncer. Desta vez estamos falando da avelós (Euphorbia tirucalli), que produz uma seiva semelhante ao látex, que é muita tóxica e cáustica.

Estudos iniciais realizados pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, em São Paulo, mostram que ela conseguiu estabilizar o quadro clínico de uma doente terminal e que também foi eficaz no alívio das dores.

A planta é encontrada no Norte e no Nordeste do país e, por sua toxidade, os cientistas primeiro precisaram isolar apenas as substâncias benéficas da planta. Depois, transformaram-as em uma pílula, chamada de AM10. Se a eficácia da droga for comprovada nos próximos estudos, ela poderá se transformar no primeiro medicamento oncológico nacional.

Já foram realizados testes in vitro e com animais, nos quais a droga funcionou bem contra as células de tumores. Nessa fase, os estudos foram feitos na Universidade Federal do Ceará e na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

O Einstein participa há um ano, na Fase Um da Pesquisa Clínica. A droga foi testada em sete pacientes oncológicos terminais, que já haviam recebido os tratamento disponíveis sem obter resposta positiva. O intuito do estudo foi descobrir a dose máxima da substância tolerada pelo organismo, não de medir sua eficácia.

Ainda assim, uma paciente do grupo de estudo, com câncer metastático, teve a doença estabilizada. Mas não se sabe ao certo qual a participação da planta na melhoria do quadro.Os outros pacientes tratados com avelós relataram melhora da dor, o que indica que a droga talvez seja um bom analgésico, e não um anticancerígeno. Porém, a expectativa em torno da descoberta é grande.

A Fase Dois da pesquisa avaliará 40 pacientes oncológicos de outras cinco instituições, entre elas o Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho e a Faculdade de Medicina do ABC. Será testada a atividade do princípio ativo nas células tumorais.

Os cientistas alertam, ainda, que não se deve tentar fazer o chá da planta em casa, pois o látex que contém é extremamente tóxico.

Fonte: Int’l MDs: Clinical Trial Info for mTOR Inhibitor AFINITOR (everolimus)
Institutos paulistas estão convocando mulheres com câncer de mama em estágio avançado para testar um novo tratamento à base de fitoterápicos. O tratamento é totalmente gratuito, com duração aproximada de seis meses.

De acordo com a Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária), os fitoterápicos são medicamentos obtidos a partir de plantas medicinais, que são aquelas capazes de aliviar ou curar enfermidades.

O estudo é voltado para mulheres acima de 18 anos, com no máximo dois tratamentos quimioterápicos anteriores para câncer de mama em estágio avançado, ou seja, pacientes com diagnóstico de câncer metastático (que a doença tenha se espalhado para outra parte do corpo).

Os testes vão substituir as terapias convencionais, como a quimioterapia, por um medicamento fitoterápico, que neste período de desenvolvimento recebe o nome de AM 10. Trata-se de uma substância sintetizada no Brasil a partir da planta medicinal aveloz.

Cada paciente tomará um comprimido três vezes ao dia, o que permitirá verificar a atividade terapêutica da droga, avaliar a possibilidade de controle da doença, o perfil de toxicidade e a ocorrência de efeitos colaterais.

Esta é a segunda fase da pesquisa. A primeira fase (pré-clínica) foi concluída com resultados positivos, com a realização de análises em células e animais, explica Luiz Pianowski, coordenador da pesquisa.

– Descobrimos que o AM 10 tem uma ação citotóxica, ou seja, que mata as células, e outra apoptótica – que incentiva o suicídio delas. Mas observamos também uma ação seletiva da substância, focada em células modificadas (cancerígenas), ou seja, ela mata mais células tumorais do que células vivas.

Os testes clínicos serão realizados pelos seguintes institutos:

Faculdade de Medicina do ABC, Hospital Albert Einstein, Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho, Hospital Sírio Libanês e Centro Paulista de Oncologia.

Os estudos são coordenados pela Pianowski & Pianowski, empresa de Pesquisa e Desenvolvimento Farmacêutico, pela PHC – Pharma Consulting, consultoria especializada em indústria farmacêutica e pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein.
>>> 

OUTRAS PESQUISAS

Uma erva comum nas regiões Norte e Nordeste, principalmente no Piauí, foi apresentada ao vice-presidente José Alencar como alternativa para a cura do câncer. Depois de 15 cirurgias e luta por 12 anos contra a doença, ele recebeu a proposta do governador Wellington Dias, que o visitou por uma hora e meia na manhã desta segunda-feira, em Brasília, acompanhado de Auro Costa, do Departamento Jurídico do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte.

O tratamento fitoterápico tem como base os avelós, ou “cachorro pelado”, já estudado por cientistas brasileiros.

Além do produto, Wellington Dias levou um amigo como exemplo de que o tratamento pode ser útil. Auro Costa garante que foi curado de um câncer de próstata após o tratamento, e levou informações literárias e cópias de entrevistas ao vice-presidente. “É uma doença agressiva, mas me emociona muito o apoio que tenho recebido de todo o Brasil”, declarou José Alencar, que perdeu 10 quilos nos últimos tratamentos de quimioterapia.

“Há cerca de um ano tentávamos contato com ele e, agora, estamos tendo essa oportunidade única. Queremos que ele conheça o produto, se informe sobre os estudos que estão sendo feitos no Hospital Albert Einstein. Não existem estudos mais aprofundados no Brasil, com planta medicinal, para o tratamento do câncer”, declarou Auro Costa.

Os avelós, cujo nome científico é Euphorbia tirucalli, está sendo usado em pesquisas para o câncer de mama e de próstata, mas estima-se que ela pode curar até 16 tipos da doença, além de ser útil contra os demais casos. “Ele se mostrou muito entusiasmado e interessado. Ligou para o seu médico e fez muitas perguntas. Vim como amigo”, disse o governador Wellington Dias.

AVELOZ – EUPHORBIA TIRUCALLI BOISS
Por Dra. Loreta Burlamaqui da Cunha (25-Mai-2000)

Meu nome é Carlos Henrique Silveira, sou professor do Centro de Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina e tenho acompanhado e participado de pesquisas junto ao corpo clinico do Hospital Universitário. Estou atualmente trabalhando em pesquisa de plantas medicinais e gostaria de saber dos profissionais envolvidos neste projeto se teriam alguma informação sobre uma planta chamada popularmente de AVELOZ e de nome científico EUPHORBIA TIRUCALLI BOISS, preciso de informações do tipo Usos terapêuticos, Toxidade e Efeitos colaterais, soube recentemente que a Universidade de São Paulo estaria usando essa planta em pacientes e que ja teriam alguns resultados. Seria possível receber essa informação?
..
Caro Dr. Carlos Henrique:
A planta chamada de Aveloz vem sendo objeto de uma pesquisa, no Rio de Janeiro, voltada, principalmente, para pacientes com câncer, embora alguns pacientes com Aids tenham sido incluídos nesta pesquisa. Tem sido usada através de dinamização (formulação homeopática), e sempre como coadjuvante dos tratamentos habituais. Não há qualquer indicação de sua utilização para substituir a terapia anti-retroviral, uma vez que esta tem demonstrado, através de inúmeros trabalhos científicos em todo o mundo, eficácia na restauração do sistema imunológico, e na diminuição da carga viral de pacientes infectados pelo HIV.

Comentário do Prof. Dr. Hélion Póvoa Filho em 06 de abril de 1967 – editado no Livro Forças do Espírito.

O Professor Francisco Rocha Lagoa Consultado pelo Ministro da Saúde, para o início de pesquisas em torno de uma erva chamada avelós possivelmente utilizada na cura do câncer pela medicina popular. Durante um almoço composto de convidados médicos, entre eles o Prof. e Dr. Guilherme Lacorte. Expôs as virtudes dessa “plantinha” na luta contra o câncer. Os resultados eram surpreendentes, após dois anos de pesquisas, o Prof. Hélion e sua equipe conseguem isolar o principio ativo do avelós, um alcalóide poderosíssimo que parecia ser capaz de curar, no mínimo, algumas espécies de câncer.

O conflito foi grande contra os conservadores.

SERVIÇOS: Informações

Por Lelington lobo Franco
lelingtonevergreen@bol.com.br




AVELOZ Homeopatia e Gotas:

-Glóbulos homeopáticos > https://www.facebook.com/farmacialeonvannier/ 

-Pessoas que fornecem o Aveloz, indicada por amiga. Segundo ela é feito por pessoas especializadas, cobra o valor do frete ou o que a pessoa possa ajudar ou não. Centro Espírita Herculano Pires - Bom Jardim - PE. www.avelos.com.br
__________________
E nunca é demais comentar da importância de se tratar simultaneamente os padrões mentais que estão por trás daquilo que se apresenta no corpo físico.
CUIDE BEM DE VOCÊ
Há mais de 20  anos cuidando bem de você (1996 - 2017)
AVALIAÇÃO por RADIESTESIA na dimensão MENTAL do distúrbio, que afeta o EMOCIONAL COMPORTAMENTAL, interferindo na SAÚDE FÍSICA do ser humano.
ATENDIMENTO ONLINE BRASI

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Entrevista com o Dr. Vernon Coleman

Se dependesse do britânico, Dr. Vernon Coleman, ele próprio médico e doutor em Biologia, o melhor uniforme para seus colegas de classe, seria um selo na testa com a inscrição “Posso fazer mal a sua saúde!“. Coleman acusa-os de serem paus mandados da indústria farmacêutica (da qual absorve parte da culpa porque são apenas negociantes), e obcecados com cirurgias desnecessárias.

Se na Inglaterra, terra de Coleman, temos uma medicina tão preocupante em termos éticos, não podemos esperar nada melhor do Brasil, país que goza da prestigiosa posição de 125ª pior medicina do mundo, segundo a OMS. Por aqui, pacientes agonizam em leitos de papelão nos corredores de hospitais públicos, enquanto nos particulares são extorquidos por médicos em cirurgias desnecessárias e perigosas. Muitas vezes caindo no ciclo vicioso do “opera, piora e opera de novo para corrigir a barbeiragem do médico anterior“, isso tudo com o mesmo ar de complacência e serenidade de quem lhes chama para tomar um sorvete ou dá um passeio numa praça cheia de pacatos idosos. O que certamente é de uma frieza de doer nos ossos de um Hannibal Lecter.

Claro que eu não concordo com tudo que Coleman diz, mas ouvi-lo e constatar que os médicos atualmente têm duas posturas em relação ao paciente: Livrar-se do infeliz ou lucrar o máximo possível, é apenas a verdade dura e crua, e antes que você seja mais uma vítima de erro médico, ponha em prática o velho princípio prevencionista de desconfiar e sempre pedir uma segunda opinião. Se sempre desconfiamos de qualquer prestador de serviço, de companhias telefônicas a provedores de Internet, por que não tomamos a mesma atitude saudável em relação a médicos? Pessoas, em cujas mãos, depositamos nosso bem mais precioso, a saúde.

A entrevista a seguir, é a tradução do texto original em Inglês, “An Interview with Dr Vernon Coleman“. Disponível em http://www.vernoncoleman.com/main.htm

Q: Você é um médico qualificado? O que provocou o seu ceticismo sobrea profissão médica?
R: Eu sou um médico qualificado e registrado para a prática – embora eu não tenha feito isso por muitos anos. Médicos são necessários e fazem muitobem. Mas o meu ceticismo é, receio, com base em sólida base científica eminhas críticas, em grande parte dizem respeito à forma como oestabelecimento médico é organizado e como os médicos se permitiram ser influenciados por forças comerciais. Eu pesquisei o que os médicos fazemcom um olhar crítico e provei que, muitas vezes, os médicos fazem mais mal do que bem. Em muitos países, os médicos são agora uma das três principais causas de doença e morte (juntamente com câncer e doenças circulatórias). Um em cada seis pacientes no hospital está lá porque ele ou ela tem sido vítima de médicos. Quatro em cada dez pacientes que recebem tratamento com medicamentos sofrem de efeitos secundários graves ou mesmo risco de vida. É talvez pouco surpreendente que quando os médicos entram em greve, os níveis de morbidade e mortalidade de pacientes invariavelmente caem.

Q: Você toma medicamentos, se você está doente – se não como é que você sinta-se bem se você ficar doente?
R: Eu vou tomar medicamentos se eu precisar deles e acreditar que as vantagens superam as desvantagens. Mas a maioria dos problemas podem ser tratados sem medicamentos.

Q: Você acha que os médicos estão muito influenciada pela indústria farmacêutica?
A: Eu tenho sido um forte crítico da relação entre a indústria farmacêutica e a classe médica desde 1976, quando publiquei meu primeiro livro Os homens da medicina em que descrevo a forma que as influências da indústria controla a profissão médica. É fácil culpar a indústria farmacêutica (e muitas de suas práticas parecem-me ser grotescamente antiéticas), mas eu acho que a profissão médica tem a maior parte da culpa. As empresas farmacêuticas estão fazendo aquilo que foram programadas para fazer – ganhar dinheiro. Eu não sinto que muita coisa mudou ao longo dos últimos 30 anos (desde que eu comecei a escrever livros sobre o assunto) e as empresas farmacêuticas ainda têm um enorme controle sobre os médicos e no que eles acreditam. A indústria tem uma enorme influência sobre todos os aspectos da educação médica, e os médicos são treinados para acreditar que a única resposta para os problemas médicos é, muitas vezes, alguma forma de intervenção farmacêutica. Isso está errado e é perigoso.

Q: Com certeza, os medicamentos devem, por vezes, ser usados para curar a doença.
R: Com certeza. Eu certamente não sou contra o uso de medicamentos, mas me oponho ao seu uso excessivo e abusivo. Por exemplo, a prescrição excessiva de antibióticos tem levado a enormes problemas – incluindo o desenvolvimento de superbactérias. Tenho alertado sobre este problema há décadas e previ o surgimento de superbactérias algumas décadas atrás. O uso excessivo de tranquilizantes levou ao maior problema de dependência do século 20. E muitas vezes os médicos não sabem realmente o que estão prescrevendo ou por quê. Por exemplo, os médicos às vezes prescrevem antibióticos para infecções virais (uma pratica inútil) e enquanto alguns médicos dão prescrições de antibióticos por dez dias, outros dão cinco ou até três cursos diários para os mesmos sintomas. Ignorância e falta de lógica causam muitos problemas. Na área de analgésicos, médicos sentem-se muito à vontade para usar pílulas quando, em muitos casos, outros métodos seriam mais seguros e eficazes. Por exemplo, máquinas de TENS são muito eficazes para combater a dor, mas muitos médicos não sabem sobre eles. A indústria farmacêutica e os estabelecimentos médicos conspiraram para mantê-los em segredo.

Q: Mais e mais pessoas estão se voltando para a medicina tradicional, complementar ou alternativa. Você acredita que mais médicos estão convencidos da utilidade deste tipo de medicamento? 
R: Infelizmente, os médicos ainda relutam em aceitar que a medicina alternativa pode oferecer aos pacientes um ótimo negócio. E, muitas vezes os médicos fazem um curso de fim de semana adicional, digamos, de acupuntura, e depois acreditam que são terapeutas holísticos. Medicina holística significa tratar os pacientes com o que for melhor para eles  e isso é raramente visto. Infelizmente, alguns terapeutas alternativos são tão opostos à medicina ortodoxa que eles também deixam seus pacientes na mão. Num mundo ideal, o paciente será tratado com as terapias que funcionam melhor – e com qualquer combinação de terapias que sejam as mais eficazes. É uma tragédia que isso seja tão raro.

Q: Os médicos que receitam tratamentos alternativos estão se comportando de forma responsável?
R: Sim. Definitivamente. Enquanto eles têm estudado os tratamentos que eles recomendam. Por exemplo, um bom médico deve sempre considerar encaminhamento dos pacientes com problemas nas costas ou juntas para um osteopata ou quiroprático e não apenas a um cirurgião. Eu acredito fortemente na medicina holística; com isso quero dizer que os médicos devem prescrever qualquer coisa que possa ajudar um paciente a ficar bem novamente. Na ausência de terapeutas holísticos (e há muito poucos) os doentes devem aspirar a ser pacientes holísticos.

Q: Como pode o paciente a aprender o equilíbrio entre a medicina ortodoxa e alternativa? 
R: Para aprender. Leia livros. Cada paciente precisa ser seu próprio médico –capaz de tirar uma parte real no diagnóstico e tratamento de doenças.

Q: Você suspeita de que os médicos sempre têm qualquer interesse pessoal em recomendar medicamentos de empresas específicas?
R: Há muitas evidências mostrando que os médicos podem ser comprados com refeições gratuitas, televisores e outros presentes. Seus hábitos de prescrição podem ser influenciados por representantes da empresa farmacêutica e, embora este não seja agora um problema tão grave como já foi, ainda é um problema.

Q: Certamente os pesquisadores não têm recursos para estudar novos medicamentos para curar doenças, se não forem pagos pelas empresas farmacêuticas?
R: Nós precisamos de uma indústria farmacêutica. Seria bom se a indústria fosse mais honesta, mas eu acho que devemos culpar os médicos por isso. Os médicos devem manter as empresas farmacêuticas mais honestas, sendo mais críticos. E os médicos devem ser mais independentes e devem perceber que as drogas são apenas parte do que eles podem fazer para os pacientes. […] As principais influências sobre a nossa saúde vêm da comida, água, condições de vida e de trabalho e assim por diante. Os números mostram que as taxas de mortalidade não melhoraram muito no século passado. Taxas de mortalidade infantil caíram muito por causa de melhores condições de moradia, mais água potável e assim por diante e essas melhorias têm afetado valores globais na expectativa de vida. Mas as empresas farmacêuticas (e médicos) gostam de fingir que estamos todos a viver mais tempo por causa das drogas. Isso simplesmente não é verdade.

Q: Você é contra o uso de antidepressivos? Você acha que a depressão é uma doença criada pela indústria farmacêutica? 
R: Quando a minha campanha contra o excesso de prescrição de tranquilizantes levou diretamente a uma queda no número de prescrições, eu previa que as empresas farmacêuticas iriam começar a empurrar antidepressivos com muito mais dificuldade. Isto é exatamente o que eles fizeram. Antidepressivos agora muitas vezes prescritos para pessoas que são infelizes ou que têm problemas de estilo de vida. O excesso de prescrição destes medicamentos em condições inadequadas causa muitos problemas adicionais.

Q: Que outras doenças você acha que são também ‘criadas’ pela indústria médica?
R: É frequentemente alegado que a asma é muito mais comum do que era. Mas, na verdade esses médicos diagnosticam asma dias depois que uma criança espirra algumas vezes. E, em seguida, o paciente pode ser colocado em drogas para toda à vida. Poucos médicos têm tempo para procurar as causas. Muitos produtos químicos em casa (por exemplo, sabão em pó)podem causar chiado no peito. Remova a causa e o problema desaparece. E muitos médicos prescrevem medicamentos anti-hipertensivos para pacientes cujos problemas poderiam, talvez, ser resolvidos se eles simplesmente comessem menos gordura, perdessem  peso e fizessem exercício.

Q: Você acha que os são governos coniventes com a indústria farmacêutica?
R: Sim, muito. Os governos estão com medo que as empresas farmacêuticas fiquem irritadas por causa do seu poder e do dinheiro que elas trazem para o país. Para dar um exemplo simples: quando fez campanha em 1997, o Partido Trabalhista britânico prometeu investigar a utilidade de experimentos com animais. Muitos amantes dos animais, votaram no Partido Trabalhista por causa disso. Após a eleição, e sob a influência das empresas farmacêuticas, o governo trabalhista perdeu todo o interesse em parar a vivissecção e fizeram tudo o que podiam para se certificar de que as empresas farmacêuticas poderiam fazer tantas experiências quanto quisessem. (Mesmo quando os testes em animais mostram que a droga é perigosa, ela é usada ainda nos seres humanos. Alegam que os animais são tão diferentes das pessoas que maus resultados podem ser ignorados. […]

Q: E sobre as agências governamentais que existem para proteger os pacientes e disciplinar médicos e empresas farmacêuticas?
R: Eu costumava ter mais fé do que tenho agora. Eu não tenho certeza se me tornei mais desconfiado ou eles mudaram. Geralmente eu não tenho fé em todas as organizações que existem para proteger os pacientes. O problema é que há muito movimento entre empresas farmacêuticas e essas organizações. Cientistas passam de uma para a outra. E, em muitos países, os médicos e os cientistas trabalham para as empresas farmacêuticas e os organismos consultivos.

Q: Como é que os hospitais poderiam se tornar um lugar melhor para os pacientes?
R: Os antigos egípcios tinham hospitais com música, flores etc. hospitais modernos são estressantes, cheios de bactérias, burocráticos e hostis. O paciente é muitas vezes considerado como um inconveniente. Todos os que trabalham no hospital devem se lembrar que a pessoa mais importante que existe é o paciente. Pelo menos metade de todos os administradores deveriam ser demitidos e o dinheiro gasto em mais enfermeiros voltado para cuidar melhor dos pacientes. Cuidar é uma parte essencial da cura.

Q: E sobre as acusações de médicos que recebem dinheiro para pesquisa de novas drogas e depois não publicam os resultados ruins ou inconvenientes?
R: Eu venho, há muitos anos, protestado publicamente sobre a maneira que as companhias farmacêuticas suprimem resultados inconvenientes. As empresas farmacêuticas devem ser severamente punidas por isso.

Q: Qual é o principal problema com medicamentos – os efeitos colaterais que eles produzem ou a sua fraca eficácia?
R: As drogas muitas vezes não são tão eficazes como as empresas farmacêuticas dizem que são. Mas o grande problema são os efeitos colaterais. Eu não acredito que haja uma única droga no mundo que não tenha efeitos colaterais. Se um paciente toma um remédio para salvar a sua vida, de certo, os efeitos colaterais não importam muito. Mas se a droga está sendo usada para tratar algum pequeno problema, então é uma tragédia se a droga pode matar.

Q: Quais as drogas que você acha que são mais amplamente sobre prescritas?
A: Tranquilizantes e antidepressivos têm arruinado muitas vidas por serem sobre prescritos. Mas o uso excessivo de antibióticos provavelmente está causando maiores problemas com o surgimento de muitos patógenos resistentes. Drogas anticâncer são, em grande parte, uma piada. O mundo provavelmente seria um lugar melhor e mais seguro, sem nenhuma delas. Elas são extremamente rentáveis, mas eu suspeito que matam mais pessoas do que curam.

Q: E sobre a tendência crescente de governos, empresas farmacêuticas e médicos em incentivar a automedicação?
A: Todos os três incentivam a automedicação, mas por razões diferentes. Os governos querem que as pessoas comprem os seus próprios medicamentos, pois economiza o dinheiro público. As empresas farmacêuticas querem vender drogas direto aos doentes, porque os lucros são maiores. E os médicos incentivam a automedicação, pois significa menos trabalho para eles. A automedicação é boa se os pacientes sabem o que estão tomando e por quê.
Infelizmente, a informação disponível é muitas vezes desigual, não confiável e insuficiente. Pacientes tendem a usar mais drogas e sofrem efeitos colaterais desagradáveis​​, como resultado. Se um paciente que toma um fármaco desenvolve novos sintomas, então, pela Lei de Coleman, os novos sintomas são causados ​​pelo fármaco.

Q: Medicamentos danificam os mecanismos de defesa do organismo humano? 
R: Eu acredito fortemente que o corpo humano tem defesas sólidas contra a doença. Eu escrevi pela primeira vez sobre isso no meu livro Bodypower em 1983, sobre como o uso de drogas danifica esses mecanismos de autodefesa e tornam o indivíduo mais vulnerável.

Q: Soma-se a sua atitude em relação a medicamentos prescritos. 
R: As drogas podem salvar vidas. Mas também podem matar. Precisamos de mais médicos que entendam os benefícios e perigos objetivamente.

Q: Você acha que os pesquisadores médicos nunca perdem tempo e dinheiro?
R: As empresas farmacêuticas gastam muito tempo e dinheiro à procura de drogas, novas variações sobre temas rentáveis. Eles estão, por exemplo, constantemente à procura de novos tranquilizantes e antidepressivos, porque são rentáveis. E eles estão constantemente procurando a introdução de novos medicamentos que são promovidos com grande entusiasmo porque se encaixam em um nicho de mercado e, em seguida, calmamente retirados e esquecidos, alguns anos depois. E lembre-se que as empresas farmacêuticas muitas vezes criam mercados para as drogas, criando doenças -elas têm feito muito sucesso, por exemplo, com medicamentos para a menopausa.

Q: A incidência de doença psicológica está aumentando dramaticamente. Você tem alguma ideia do porquê? 
R: Há enormes lucros a serem conseguidos com tranquilizantes, comprimidos para dormir e antidepressivos. A maioria dos pacientes que tomam estes medicamentos não precisam deles e não se beneficiam deles. As únicas pessoas que realmente se beneficiam são as empresas farmacêuticas. Os médicos prescrevem essas drogas porque distribuir receitas é mais rápido e mais fácil do que investigar as causas e oferecer aconselhamento adequado.

Q: Você diz que os médicos não são ensinados bem. Como deveriam ser ensinados os estudantes de medicina? 
R: Aos alunos deve ser ensinada a verdadeira medicina holística. Eles devem aprender a ver o paciente como pessoa. E eles devem investigar todas as causas de uma doença (ambiente, sistema imunológico, estresse etc.) antes de oferecer uma solução. Os alunos devem ser ensinados que os pacientes podem se beneficiar de uma mistura de tratamentos, incluindo, se necessário, medicamentos, cirurgia e medicina alternativa.

Q: Você acha que os médicos são lentos para aceitar novas ideias?
R: Os médicos têm sido muito lentos em reconhecer a importância da dieta na saúde. Houve evidências de décadas que mostram que a carne causa câncer. Se você comer muita carne é mais propenso a morrer de câncer. Isso é um fato. Os médicos não veem isso, porque eles raramente leem a pesquisa original. Eles só leem os folhetos distribuídos pelas empresas farmacêuticas– que só mencionam drogas terapêuticas. E as revistas médicas, que fazem enormes quantidades de dinheiro com publicidade de medicamentos, não lidam com essas questões também. Eu li recentemente sobre um médico que prescrevia carne para seus pacientes, porque ele pensou que iria torná-los saudáveis​​. Relatei-o ao Conselho Geral de Medicina, alegando que ele estava fazendo algo que era perigoso para seus pacientes, mas o GMC não estava interessado, é claro. O GMC é muito mais preocupado em defender o estabelecimento médico, do que cuidar dos interesses dos pacientes.

Q: Que danos check-ups médicos podem causar aos pacientes? Você não acha que check-ups podem descobrir a doença em estágios iniciais?
R: check-ups não são mais úteis do que um extrato bancário único. Se você tiver um extrato bancário de um ano, ele lhe dará uma falsa visão de sua saúde financeira. Check-ups médicos produzem uma grande quantidade de falsos negativos e falsos positivos e dão às pessoas uma falsa sensação de segurança. É muito melhor dizer aos pacientes que problemas devem se ater– e dizer-lhes sobre os sinais de alerta importantes que mostram problemas iminentes.

Q: Que danos podem ocorrer depois de tomar as vacinas?
R: As vacinas têm causado (e causam) enormes problemas. Tenho sido um crítico desde os anos 1970. Elas podem danificar o cérebro e o corpo. O seu valor é amplamente superestimado e seu perigo descontroladamente subestimado. O problema é que algumas vacinas evitam a propagação de doenças. Mas a um custo elevado para os indivíduos. Os governos não se importam em sacrificar indivíduos para o bem da comunidade. Eu não acho que os médicos deveriam fazer isso. Qualquer um que tenha de vacinar-se, deve certificar-se de que seu médico assine um documento assumindo a responsabilidade se as coisas derem errado (se o paciente fizesse isso haveria muito menos vacinas.) Tem havido muita pesquisa mostrando os perigos das vacinas. Mas algumas dessas pesquisas são suprimidas porque são inconvenientes. […]

Q: Você não acha que as vacinas têm ajudado na erradicação de doenças como a poliomielite? Não é este um bom argumento a favor da vacinação? Em regiões pobres doenças como o sarampo são muito perigosas. Não são vacinas uma forma de evitar muitas mortes?
R: Se você aceitar que milhares de pessoas vão morrer ou sofrer grandes dificuldades para o bem da comunidade, então, vacinas, provavelmente, têm um lugar. Eu acho que o preço é muito grande. Muitas grandes reivindicações são feitas para as vacinas. Mas os benefícios são geralmente exagerados. Muitas doenças foram reduzidas em números muito antes das vacinas serem introduzidas. Melhores condições de vida e antibióticos – não vacinas- são responsáveis​​. Se você olhar para os gráficos verá que as doenças infecciosas estavam caindo antes das vacinas serem introduzidas e que as vacinas estão matando mais pessoas do que poupando vidas.

Q: Os sonhos mundiais de uma vacina contra a Aids ou o câncer. Você acha que é uma possibilidade?
R: Não, Há muitas melhores maneiras de lidar com os problemas. A melhoria do sistema imunitário é a chave.

Q: O risco de uma infecção hospitalar é elevado, mas algumas doenças têm de ser tratadas no interior do hospital. Como pode um paciente saber se o risco vale a pena ou não? 
R: Se o seu estado de saúde vai matá-lo, então ir para o hospital é obviamente essencial. Mas eu gostaria de tentar manter-se fora de um hospital para as coisas que não ameaçam a minha vida.

Q: Será que o corpo tem o poder de auto curar-se? 
R: Com certeza. Já escrevi sobre isso em livros como Bodypower,  Mindpowere SuperBody.

Q: Você não aceitar que os avanços médicos sejam responsáveis ​​por aumentos na expectativa de vida.
R: Não. Isso é um mito apresentado por empresas farmacêuticas e instituições médicas. Melhores condições de vida são responsáveis ​​pela redução da mortalidade infantil. E é a redução da mortalidade infantil, que levou a aparente maior expectativa de vida. Pessoas que sobreviveram a infância viveram até seus 80 ou 90 a partir de um ou dois séculos atrás. Há pessoas mais velhas hoje em dia, porque as populações têm crescido. E há problemas em lidar com elas, porque há doenças crônicas e porque as famílias jovens não tem tempo ou dinheiro para cuidar de suas saúdes.

Q: Você acha que o retorno do médico de família à moda antiga pode melhorar as coisas?
R: Com certeza. O médico de família real, atua como intérprete e agente dos pacientes, ajudando a guiá-los através de todas as formas disponíveis de diagnóstico ou tratamento, explicando o que está acontecendo e dando apoio. Infelizmente, os médicos de família são agora uma raridade. O dinheiro é gasto em medicamentos desnecessários e na administração em seu lugar.

Q: Você disse que durante as greves de alguns médicos, as taxas de mortalidade diminuiriam. É realmente o caso? 
R: Sim. Tratamentos demais provocam muitas doenças. Em muitos casos, o corpo pode curar a si próprio, sem ajuda médica. Greves, tanto na América e Israel levaram a uma queda nas taxas de mortalidade.

Q: Qual é o segredo de um bom médico?
R: O médico deve ouvir, ouvir e ouvir. Muitas vezes, um bom médico pode saber mais ouvindo do que examinando. Medicina de alta tecnologia é ótima, mas ouvir ainda é crucial. E muitos médicos não encontram tempo para isso.

Q: Ser vegetariano é uma boa maneira de prevenir a doença?
R: Sim. Não há dúvidas sobre isso. A evidência científica está resumida no meu livro Food for Thought e no meu site.

Q: Você é vegetariano?
R: Sim. Eu sou vegetariano porque eu não quero comer animais. Mas não é por isso que eu recomendo que os leitores sigam uma dieta vegetariana. Eu acredito que comer carne causa muitas doenças e que uma dieta vegetariana é muito mais saudável. Se eu acreditasse que a carne é essencial, seria minha responsabilidade como um autor dizer a verdade –  e eu ainda não comeria carne.

Q: Você tomou vacinas quando era uma criança?
R: Foi-me dadas algumas vacinas quando criança e, felizmente, fui um dos sortudos: Eu sobrevivi a elas. Mas quando eu era uma criança, tomávamos muito menos vacinas que as crianças recebem nos dias de hoje. Os riscos da maioria das doenças para as quais as vacinas são agora prescritas, são leves. Por exemplo, o sarampo não mata muitas crianças. As vacinas são dadas para o benefício econômico da comunidade e não para a saúde do indivíduo. Se concorda com isso, então você pode aprovar as vacinas. Eu considero que seja uma atitude política fascista em vez de uma cura ou uma atitude humanitária.

Q: Quais são as suas opiniões políticas? Poderia descrever-se como de esquerda ou direita? 
A: Eu não sou nem de esquerda nem de direita (embora os leitores às vezes supõem que eu seja uma coisa ou outra – e não é raro para mim receber e-mails no mesmo dia me acusando de ser um extremista em ambas as direções– Eu mesmo recebi e-mails me acusando de ser um apoiante de certa posição (um conceito que, tenho certeza, é uma surpresa considerável para os apoiadores). Estou furioso com a injustiça, desumanidade e autoridade opressora e as minhas preocupações são apenas para lutar por liberdade e justiça.

Direitos autorais Vernon Coleman 2006

__________________
CUIDE BEM DE VOCÊ
Há mais de 20  anos cuidando bem de você (1996 - 2017)
AVALIAÇÃO por RADIESTESIA na dimensão MENTAL do distúrbio, que afeta o EMOCIONAL e COMPORTAMENTAL, interferindo na SAÚDE FÍSICA do ser humano.
ATENDIMENTO ONLINE em todo o  BRASI

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Psoríase, medo de ser enganado



Psoríase chega sem avisar.

Uma pessoa adoece quando seu estado interior não está suficientemente bom para proporcionar ao organismo condições de reagir às interferências do agente nocivo, que atinge o seu corpo.

Vamos começar conferindo o que significa “psoríase”:

– É considerada uma doença inflamatória crônica da pele que se caracteriza por apresentar lesões papulosas e maculopapulosas recoberta por escamas estratificadas, com tendência a recidivas.

Esta enfermidade é mais frequente em idades próximas à puberdade e à adolescência, não é contagiosa, pode apresentar antecedentes familiares e se vê com menos frequência na raça negra.

Louise Hay diz que:

Psoríase surge do medo de ser enganado. Amortecendo os sentidos do Eu. São pessoas que não assumem a responsabilidade por seus sentimentos e atos.

A Metafísica da saúde diz que o motivo principal da maioria de nossos problemas estão em nosso interior. Nas nossas emoções, em nossos pensamentos e nossas crenças.

Reagimos de acordo com tudo isso que está em nosso interior.

O nosso sistema imunológico fica completamente enfraquecido, quando mantemos em nosso coração emoções negativas, provocando reações que afetem a saúde. Também quando mantemos pensamentos de vingança, revolta ou algum tipo de violência, podemos provocar que aconteçam acidentes.

O que fazer?

– É essencial, em todas as doenças, que tratemos de voltar nos para dentro, auto observar-nos, para conhecer-nos melhor.

Quando começarmos a conhecer-nos e a mudarmos determinados padrões que influenciam nessas doenças, já estaremos iniciando o processo da cura.

Para que servem as doenças?

– Para aprendermos e mudarmos nossos comportamentos e crenças. Pois, muitas vezes, não temos consciência delas e nos fazem tanto mal.

Uma vez descoberto o padrão mental que está escondido por detrás de cada doença, então teremos a oportunidade de modificá-lo e somente assim, curar o nosso corpo e nossa mente.

A cura da alma vem através da doença, porque é através dela, que descobrimos a doença que já está em nosso interior. Os remédios curam os sintomas, se a causa não for trabalhada, a doença volta.

“As doenças são os resultados não só dos nossos atos, mas também dos nossos pensamentos”. Mahatma Gandhi


Kaiowa Mara

__________________
CUIDE BEM DE VOCÊ
Avaliação por Radiestesia na dimensão mental do distúrbio, que afeta o emocional e comportamental, interferindo na saúde física do ser humano.
ATENDIMENTOS online 

Google + 1

Talvez se interesse:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Florais e Cia...